Sociedade Brasileira de Autoimunidade | SOBRAU  >  Articles posted by sobrau_wul7jg (Page 6)

Aspectos emocionais nas Espondiloartropatias

Um dos fatores importantes a serem levados em consideração quando um paciente é diagnosticado com uma doença autoimune, crônica e degenerativa com curso de dor, como é a ESPONDILITE ANQUILOSANTE é atentar para a parte psico-emocional dos doentes, já que podem ser devastadores os efeitos emocionais que este reumatismo provoca.

Embora não seja uma doença considerada curável, os tratamentos disponíveis, quando aplicados adequada e precocemente, oferecem alívio da sintomatologia (inflamação e dor), interrompendo a progressão danosa da moléstia. Assim, há melhora na qualidade de vida global, tornando a vida quase normal quando eficientes os tratamentos.

SPR realizará evento sábado dia 20/05 em Curitiba

Neste sábado (20) a Sociedade Paranaense de Reumatologia (SPR) vai realizar um grande evento no centro de Curitiba: uma ação de conscientização sobre doenças reumáticas.

Das 8h30 às 13h30, quem passar pela Boca Maldita, na rua XV de novembro, terá a oportunidade de receber informações sobre doenças reumatológicas gratuitamente. A ação terá a participação de reumatologistas associados à SPR e equipes dos hospitais Evangélico e das Clínicas.

Nova chance para a cura da oftalmopatia de Graves: Teprotumumabe

Artigo publicado nesta semana no NEJM relata a experiência altamente positiva com um novo agente biológico para tratamento da oftalmopatia associada a casos mais severos de hipertireoidismo autoimune.

A inibição do receptor do fator de cescimento similar à insulina (IGF-1R) resultou em melhora detectável dos olhos em 69% dos 88 pacientes estudados, contra 20% no grupo placebo. Para-efeitos ocorreram apenas em diabéticos, com descontrole leve da glicemia.

O Abstract você pode ler no seguimento.

SPBCA 2017

Os organizadores nos convidam a visitar São Petersburgo de 30 de junho a 2 de julho para participar de grandes apresentações e discussões com os mais renomados autoimunologistas. Um programa que com certeza vai despertar novos conhecimento e pesquisas e estimular estágios e novas colaborações.

Entrevista Dr. Carlos Alberto von Mühlen – Síndrome de Sjögren, uma doença em evolução

ENTREVISTA ESPECIAL

Síndrome de Sjögren, uma doença em evolução

Síndrome de Sjögren, que impede funcionamento das glândulas salivares e lacrimais, atinge até 2% da população mundial.

Pouco conhecida, porém não é rara. Assim pode ser considerada a doença crônica reumatológica autoimune denominada Síndrome de Sjögren. Conforme definição da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), esta é uma doença em que o sistema imunológico do paciente erroneamente ataca as glândulas produtoras de lágrimas e saliva. E, apesar da estimativa de que quatro milhões de norte-americanos sejam portadores desta enfermidade, a maioria não tem diagnóstico. Já no Brasil, não se sabe o número exato de doentes.

Lúpus Eritematoso Sistêmico, um lobo a enjaular

Enfermidade que tem como característica lesões cutâneas de cor avermelhada, pode atingir a pele ou outros órgãos do corpo humano.

O LES (Lúpus Eritematoso Sistêmico), ou simplesmente Lúpus (de lobo, pelas manchas na face) é uma doença inflamatória crônica de causa desconhecida. Não sendo contagiosa ou infecciosa, até o momento os cientistas ignoram como o sistema imune trabalha de forma incorreta para trazer as manifestações clínicas da enfermidade. Com um número cada vez maior de casos no Brasil, a doença lúpica vem preocupando de forma crescente a pesquisadores, médicos e pacientes.

Gravidez e doenças reumáticas

A gravidez é um estado fisiológico muito interessante. O sistema imune do feto em desenvolvimento é programado para reconhecer a si próprio, assim como o oposto, o que não pertencer a si próprio, tanto que o bebê pode proteger seu corpo de um ambiente hostil, uma ameaça de infecção bacteriana e outros estímulos nocivos. A mulher grávida, contudo, permite que o que não faz parte do seu eu invada o seu organismo. O feto se desenvolve e o seu crescimento é tolerado pela mãe, embora 50% do feto venha do pai e deveria, portanto, ser reconhecido como não fazendo parte da própria mãe. A metade do nenê deveria em princípio ser atacado e rejeitado pelo organismo da mãe. A mãe não toleraria um enxerto de rim do pai da criança passivamente!