SÍNDROME DE GOODPASTURE


Definição

Síndrome de Goodpasture ou doença dos anticorpos anti-membrana basal glomerular (anti-MBG), é um quadro mediado pelo sistema imunológico no qual autoanticorpos contra a cadeia α3 do colágeno tipo IV (proteínas de 28 e 48-50 kD), presentes na membrana de células tubulares basais do glomérulo e em membranas basais capilares pulmonares, se ligam à membrana basal, alveolar e glomerular. Este fenômeno causa glomerulonefrite progressiva e hemorragia pulmonar. As duas principais causas de glomerulonefrite são a ativação de complemento após deposição de imunocomplexos e a presença de anticorpos específicos contra células renais, como no caso da síndrome de Goodpasture. 

O mecanismo de comprometimento renal e pulmonar começa nos rins, os anticorpos se ligam à membrana basal, ativam a cascata do complemento e de proteases, provocando ruptura da barreira glomerular e da cápsula de Bowman, causando proteinúria e hematúria. Linfócitos T CD4 e CD8+, macrófagos e neutrófilos participam da agressão produzindo, entre outros, interleucina 12 e interferon, com declínio progressivo da função renal resultando em um quadro de falência renal irreversível. A doença é rara, apresenta maior prevalência na população adulta jovem do gênero masculino.

Quadro Clínico

Manifesta-se clinicamente por dispnéia e tosse, com ou sem hemoptise. A presença de infiltrado alveolar ao raio-X simples de tórax é pouco específica. Anticorpos anti-citoplasma de neutrófilos (ANCA) estão presentes em 30% dos pacientes. A mortalidade é alta, chegando a mais de 30% dos casos, causada por hemorragia pulmonar. A glomerulonefrite quando não tratada evolui rapidamente para insuficiência renal crônica.

Marcadores Laboratoriais

O marcador sorológico diagnóstico consiste em anticorpos anti-MBG circulantes, detectados no soro de mais de 90% dos pacientes através de radioimunoensaio, ELISA ou imunofluorescência indireta. A biópsia renal constitui o padrão ouro para o diagnóstico da nefrite por anticorpos anti-MBG. A microscopia de imunofluorescência revela a deposição linear de IgG ao longo da MBG, lembrando uma fita.

Tratamento

O tratamento é realizado com o uso precoce de plasmaferese, glicocorticóides, ciclofosfamida ou azatioprina. A prednisona é iniciada em combinação com ciclofosfamida ou azatioprina para suprimir assim nova síntese de autoanticorpos. A velocidade de implementação do tratamento constitui um determinante crítico para os resultados. Os títulos seriados de anti-MBG são monitorados para avaliar a resposta ao tratamento. Em pacientes com doença renal terminal, o transplante renal constitui uma opção viável de tratamento.

Links úteis

http://www.thelancet.com/action/showFullTextImages?pii=S0140-6736%2801%2906077-9

http://www.scielo.br/pdf/ramb/v50n1/a27v50n1.pdf

http://anatpat.unicamp.br/lamuro3.html

http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=4559

Ana Larissa Alves de Amaral