ESPONDILITE ANQUILOSANTE E AS ESPONDILOARTRITES

Introdução

Em torno de 80% da população mundial teve, tem ou terá dor lombar durante a vida, revelando com isso o grave impacto das doenças da coluna, somado a uma porção de desinformação e má abordagem (inclusive técnica) sobre o tema. Se considerarmos o aumento significativo da participação da população com mais de 60 anos na sociedade (que dobrou em números absolutos nos últimos 50 anos) por força de uma medicina de melhor qualidade e também por uma mudança de estilo de vida, ao falarmos de coluna esse cenário ganha ainda maior importância.

Aspectos emocionais nas Espondiloartropatias

Um dos fatores importantes a serem levados em consideração quando um paciente é diagnosticado com uma doença autoimune, crônica e degenerativa com curso de dor, como é a ESPONDILITE ANQUILOSANTE é atentar para a parte psico-emocional dos doentes, já que podem ser devastadores os efeitos emocionais que este reumatismo provoca.

Embora não seja uma doença considerada curável, os tratamentos disponíveis, quando aplicados adequada e precocemente, oferecem alívio da sintomatologia (inflamação e dor), interrompendo a progressão danosa da moléstia. Assim, há melhora na qualidade de vida global, tornando a vida quase normal quando eficientes os tratamentos.